O comportamento cooperativo é fundamental para a sobrevivência de várias espécies de animais

A natureza está cheia de exemplos bem-sucedidos de cooperação e solidariedade. O comportamento cooperativo é fundamental para a sobrevivência de várias espécies de animais. Conheça alguns deles.

1. Pássaros

Os estorninhos são pássaros que desenham formas malucas durante o voo em grupo. Uma das funções desse comportamento cooperativo é usar a força do todo para intimidar os predadores. Eles criam a ilusão de ser um corpo só para tentar confundir seus predadores naturais. Para isso, deslocam-se a grande velocidade, seguindo regras muito precisas que os impedem de colidir uns com os outros.

Outro pássaro com comportamento cooperativo é o papa-moscas-preto, uma espécie de pardal. Ele guincha alto quando um predador invade sua área. O risco de atrair o predador é compensado quando outras aves da mesma espécie atendem ao chamado, se juntam em torno do intruso e o expulsam. Essas aves só respondem ao chamado de batalha daqueles que já o ajudaram outras vezes.

2. Formigas

As formigas são um exemplo perfeito de cooperação. Elas são insetos sociais e trabalham juntas para levar objetos muito maiores do que elas até o formigueiro. Tarefas como coletar alimento, defender o formigueiro e cuidar das larvas e pupas são divididas entre os membros do formigueiro.

Seu comportamento cooperativo é extremamente eficiente na busca, transporte e armazenamento de alimentos, assim como na reprodução e na defesa do grupo. E essa cooperação é a base da sua sobrevivência.

3. Peixes

No mar a união também faz a força! Os peixes se reúnem em cardumes para se defender contra predadores. A principal característica do agrupamento é a sincronia de movimentos ao nadar.

Esta sincronia dissolve os indivíduos em uma massa homogênea que confunde o predador, impedindo que ele foque seu ataque em um indivíduo em particular. Não sendo capaz de focar em um indivíduo, as chances de um predador capturar uma presa caem drasticamente.

Algumas espécies de peixes pequenos também nadam na boca de peixes maiores para comer parasitas e bactérias nocivas. A vantagem é dupla: os pequenos ganham uma refeição e os grandes ficam com a boca mais saudável.

4. Abelhas

As abelhas são consideradas o símbolo do trabalho e da cooperação. Na sociedade das abelhas não há um posto central de comando. O poder é disseminado através da colmeia e as decisões diárias são tomadas consensualmente através de estímulos químicos, visuais, auditivos e táteis.

A incrível cooperação observada entre as abelhas de uma colmeia pode ser explicada pelo compartilhamento de 75% de seus genes. Nos humanos, irmãos de uma mesma família compartilham 50% de seus genes.

Elas têm diferentes padrões de comportamento social, envolvendo combinações de características como castas, divisão de tarefas, superposição de gerações e trabalho cooperativo. As abelhas desempenham diferentes atividades dentro de seu grupo, especialmente as ligadas à construção das células e aos mecanismos de defesa da colmeia.

5. Morcegos

Grupos de morcegos-vampiros, habitantes do México e das Américas Central e do Sul, têm um sistema de partilha de alimentos que ajuda a garantir sua sobrevivência. Esses mamíferos alados se alimentam de sangue e morrem se passarem dois dias sem alimento. O morcego-vampiro que consegue encontrar comida a compartilha com os outros membros do grupo.

Se não fosse assim, quatro em cada cinco morcegos-vampiros morreriam por ano. Com a cooperação, a taxa fica em um para cada quatro. O morcego que recebeu alimento de outro antes, mas não compartilhou sua comida com o grupo, não é convidado novamente a participar de outras refeições.

Compartilhe: