A Liga das Mulheres Deslocadas foi criada em 2003, no município de Turbaco

03-02-imagem

Mulheres são violentadas todos os dias em todos lugares do mundo. Muitas vezes, pelo simples fato de serem do gênero feminino. Essa triste realidade fica ainda mais evidente na Colômbia, onde confrontos políticos deixam mais de 220 mil mortos e mais de 6 milhões de deslocados. Neste contexto, muitas mulheres foram estupradas. Algumas chegaram a engravidar de seus abusadores.

Juntas, elas encontraram forças para resistir e proteger umas às outras. Foi assim que, em 2003, surgiu a Liga das Mulheres Deslocadas (LMD): um conjunto habitacional construído pelas próprias moradoras, no município de Turbaco, local onde elas se refugiaram de toda violência e abusos.

Em cooperação, elas conseguiram reerguer suas vidas, mesmo com a forte represália. Para se ter uma noção, o centro comunitário que elas construíram chegou a ser incendiado, colocaram cadáveres nas terras que elas cultivavam, entre outros ataques. A coragem para resistir a tudo isso está na união entre elas.

As crianças que crescem neste ambiente da LMD já têm uma compreensão sobre os direitos das mulheres, que são incentivados e promovidos. O grupo de jovens que surgiu no local tem como objetivo fazer com que as novas gerações continuem com o trabalho que suas mães e avós iniciaram.

As mulheres da LMD acreditam que necessitam de poder político para conseguir modificar a realidade do país para as mulheres. Elas já não são vítimas de um deslocamento forçado, mas sim mulheres que juntas podem ser responsáveis pela mudança. Um exemplo de resistência e cooperação!

Continue no blog: Argentina tem a primeira cooperativa teatral de mulheres transexuais

Compartilhe: