Nas cooperativas de produção os associados contribuem com o seu trabalho para a produção em comum de bens e produtos.

As cooperativas de produção são a modalidade básica da economia solidária. Nelas, os associados contribuem com o seu trabalho para a produção em comum de bens e produtos. A propriedade dos meios de produção é dos trabalhadores da cooperativa, e não há proprietários que não trabalhem nela.

Este tipo de cooperativa geralmente é formada quando uma empresa entra
em falência. Os empregados se juntam e criam a cooperativa para manter seus postos de trabalho.

Mas essa também pode ser uma solução interessante para quem quer deixar de ser assalariado e constituir seu próprio negócio, assim como para as pessoas que não conseguem encontrar espaço no mercado de trabalho.

Todos os associados têm o mesmo poder de decisão sobre a cooperativa. A administração é feita por associados eleitos para esta função e que se pautam em decisões aprovadas em assembleias gerais ou por conselhos de delegados eleitos por todos os associados.

A finalidade de uma cooperativa de produção não é maximizar lucros, mas sim a quantidade e a qualidade de trabalho. O excedente anual, chamado de “sobras”, tem a destinação decidida pelos trabalhadores. O capital não é remunerado e, portanto, não há lucro.

Existem no Brasil 243 cooperativas deste ramo, com 11500 associados e que empregam 3605 pessoas. Aqui no Rio Grande do Sul são 10 cooperativas de produção, com 578 associados e 3078 empregados.

Compartilhe: