Os felinos têm características que se conectam com os valores cooperativos

Com aparência fofinha, muita personalidade e carinho, os gatos e o cooperativismo possuem mais semelhanças do que imaginamos.

Historicamente, os felinos eram considerados divindades no Antigo Egito, sendo representados por figuras e até mesmo mumificados! Olha a moral e o respeito com nossos amigos felinos.

Antes de mais nada, gatos podem ser tão afetuosos quanto os cachorros, mas apresentam diferenças físicas e comportamentais. E é preciso compreender o comportamento e o perfil dos felinos para garantir uma convivência feliz.

Mas, você sabia que os gatos possuem 3 semelhanças com os valores cooperativos? Vamos a elas:

1 – Igualdade

 

Primeiramente, os gatos são muito apegados a quem cuida bem deles. E, ao contrário dos cães, domesticados há séculos, os felinos foram tratados historicamente de forma diferente, portanto, o senso de lealdade deles é muito mais de igualdade do que de submissão.

Ainda que isto gere o rótulo de independentes e a reputação de desobedientes, é importante lembrar que, na verdade, é necessário criar uma relação recíproca de

respeito entre felino e humano.

O cooperativismo é muito mais do que um modelo de negócios, é uma filosofia de vida que busca transformar o mundo em um lugar mais justo, equilibrado e com melhores oportunidades para todos.

Não há distinção ou segregação em razão da raça, gênero ou sexo, ideologia política, religião, idade e condição socioeconômica. As cooperativas se baseiam no valor de igualdade! Em outras palavras, todos associados são donos da cooperativa e têm direitos iguais de voto, participando da gestão democrática.

Gatos e o cooperativismo com senso de igualdade, essa é a primeira semelhança! Aliás, igualdade está presente no princípio cooperativista da Adesão Livre e Voluntária, que já falamos aqui no blog!

Leia mais  O cooperativismo pode tirar a sua banda da garagem

2 – Responsabilidade própria

Antes de mais nada, a imagem que muitas pessoas possuem sobre os gatos tem relação com a maneira como eles foram domesticados. De fato, esse processo com os felinos foi muito mais gradativo na comparação com os cachorros.

 

Os primeiros gatos domesticados começaram a aparecer nos vilarejos neolíticos do Oriente Médio cerca de 10 mil anos atrás. Só para ilustrar, isso foi antes do Antigo Testamento ser escrito, no segundo período pré-histórico da civilização humana, ou seja, faz um maior tempão!

Os gatos não dependiam dos seres humanos para se alimentarem, eles eram encorajados a buscar alimentos por conta própria e armazenar a comida em locais seguros de outros animais. Por isso, a relação entre humanos e felinos já começou com a imposição de um distanciamento maior do que no caso dos cães, que desde os princípios foram utilizados como companheiros de caça.

Dessa forma, a história nos mostra que os cachorros foram ensinados a ter uma dependência dos humanos para comerem e participarem de atividades em conjunto.

Por mais que você tente domesticar o seu gatinho, lembre-se que muitos dos seus instintos e traços vêm lá dos seus ancestrais neolíticos. Sim, nossos bichanos possuem responsabilidade própria, se viram para caçar sozinhos, sabem patrulhar o território e se protegem de outros gatos. Em suma, assim como o associado, que tem seus deveres e responsabilidade com o empreendimento cooperativo, o gato tem um senso de responsabilidade própria. 

3 – Autoajuda

Símbolos de beleza e sabedoria, os gatos estão virando os “gurus” de livros de autoajuda. A nova tendência editorial traz livros que buscam inspiração no comportamento dos felinos para dar conselhos ao ser humano. Sim, isso mesmo! Afinal, vamos ser sinceros, nem só de vídeos e memes da internet vivem os nossos amigos.

Leia mais  Presidente do Conselho de Administração da Dália Alimentos fez MBA na Escoop

De fato, os gatos podem nos trazer alguns ensinamentos como o autocuidado, a persistência e valorizar o que importa. Assim, é bem possível que ao adquirir um brinquedo para o seu bichano há grande chance dele preferir a caixa ao invés do conteúdo.

Através da autoajuda e do empoderamento, as cooperativas reinvestem em suas comunidades e se preocupam com o bem-estar das pessoas e do mundo em que vivemos. Portanto, as cooperativas nutrem uma visão de longo prazo para o crescimento econômico sustentável, desenvolvimento social e responsabilidade ambiental.

Então, Geração, tem alguma outra semelhança entre os gatos e o cooperativismo que não entrou na nossa lista? Deixa seu comentário nas nossas redes sociais!

Inscreva-se em nossa Newsletter!
Compartilhe: