Nas cooperativas, a preocupação com os trabalhadores acontece todos os dias do ano.

 

Todo mundo sabe que Dia do Trabalho é sinônimo de feriado, mas o que muita gente não está ligada é na real importância dessa data no calendário mundial.

O Dia do Trabalho é comemorado mundialmente há mais de um século, representando o momento em que os empregados e as empresas têm para refletir sobre as legislações trabalhistas, normas e demais regras de trabalho.

Diante da importância do Dia do Trabalho, o Geração Cooperação traz um artigo comemorativo para o blog, apresentando quatro motivos que comprovam a preocupação do movimento com os trabalhadores.

Se liga:

 

1. Cooperativas geram milhares de empregos

O modelo de negócio cooperativo, além de incentivar o empreendedorismo, gera milhares de empregos. Pra ninguém achar que estamos exagerando: em nível mundial, as cooperativas são responsáveis por empregar mais de 250 milhões de pessoas. Além do impacto global, o cooperativismo gera mais de 376 mil empregos no Brasil.

Na prática: O cooperativismo está presente no nosso dia a dia. No Rio Grande do Sul, as cooperativas envolvem mais de 70% da população. Além disso, geram mais de 61,8 mil empregos formais diretos.

 

2. São consideradas bons lugares para trabalhar

Já falamos várias vezes sobre as vantagens de atuar em uma cooperativa, inclusive, listando exemplos de atitudes que rolam em empresas privadas e que você nunca verá no meio cooperativista.

Essa diferença acontece principalmente pelo fato de as relações humanas dentro de cooperativas serem guiadas pelos princípios do movimento, como a intercooperação e a autonomia, resultando em um ambiente de trabalho muito mais saudável.

Leia mais  Conheça a relação entre empreendedorismo e cooperativismo

Na prática: A valorização das pessoas em cooperativas é reconhecida formalmente. Das 150 empresas listadas pelo Great Place to Work, 22 são cooperativas.

Aproveite para descobrir as melhores cooperativas para se trabalhar.

 

3. Pagam 20% a mais que outras empresas

Além do ambiente de trabalho saudável, as cooperativas valorizam os trabalhadores de forma financeira, oferecendo remuneração superior em comparação às empresas privadas. Segundo dados da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul (FEE), divulgados na Expressão do Cooperativismo Gaúcho, os salários em cooperativas são, em média, 20% maiores que a remuneração oferecida em empresas tradicionais.

Na prática: Em 2017, por exemplo, o salário médio dos empregados nas cooperativas gaúchas foi de R$ 2.171,00, enquanto que empregados do setor privado tiveram a média salarial de R$ 1.810,00.

 

4. Cooperativas também impactam a comunidade

As cooperativas, além de gerarem empregos, valorizarem e respeitarem seus funcionários, impactam as comunidades onde estão instaladas. O Interesse pela Comunidade é um dos 7 princípios do cooperativismo e atribui responsabilidade social às cooperativas.

Na prática: Um exemplo são as cooperativas de crédito, que retêm recursos financeiros na sua área de atuação, cidade ou comunidade. Isso favorece a economia local, democratizando o crédito.

 

Viu só? A preocupação do cooperativismo com o trabalhador não é blábláblá, pelo contrário, faz parte da essência do movimento. E você, já pensou em integrar a equipe de uma cooperativa? Você pode fazer isso de forma direta, sendo um dos cooperados, ou ocupando um dos empregos gerados pelo cooperativismo. Aproveite e confira passo a passo para montar a sua cooperativa.

Inscreva-se em nossa Newsletter!
Compartilhe: