Você sabia que o Sescoop faz parte do Sistema S? O que isso significa? Por que o Sistema S é importante para o jovem?

GC-CapaARTIGO---Importanciadosistemas-min

Você sabe o que é o Sistema S, o que faz e qual é sua importância? Nós, do Geração Cooperação, já abordamos esse assunto lá atrás, em 2015, no artigo Você sabia que o Sescoop faz parte do Sistema S?. Mas como o assunto está em foco atualmente, vamos falar mais sobre isso e explicar qual a relevância do Sistema S para o setor cooperativista e para os jovens brasileiros.

O que é o Sistema S?

O Sistema S começou a ser estruturado no Brasil em 1942 para oferecer uma rede de ensino que melhorasse a produtividade da mão de obra e os serviços culturais e de lazer para o trabalhador com financiamento garantido, mas sem depender da gestão pública.

Ele é composto por nove entidades:

– Sesi: ligado à indústria, oferece opções culturais, de lazer e esporte, além de serviços de saúde.

– Senai: ligado à indústria, oferece cursos e assessoria técnica relativas ao setor industrial.

– Sesc: ligado ao comércio, oferece opções culturais, de lazer e esporte.

– Senac: ligado ao comércio, oferece cursos de formação profissional na área do comércio.

– Sebrae: ligado à micro e pequena empresa, oferece cursos e apoio para acesso a crédito aos microempresários e a quem pretende abrir uma empresa.

– Senar: ligado ao agronegócio, oferece cursos para o setor rural.

– Sescoop: ligado ao cooperativismo, oferece cursos e assessorias ao setor.

– Sest: ligado ao setor dos transportes, oferece opções culturais, de lazer e esporte.

– Senat: ligado ao setor dos transportes, oferece cursos relativos à área de transportes.

Essas entidades têm representações nacionais que supervisionam as regionais nos Estados.

Leia mais  5 motivos para criar uma horta comunitária

 

O papel do Sistema S para o jovem trabalhador

Qualificar e promover o bem-estar social e disponibilizar uma boa educação profissional são as finalidades do Sistema S, o qual prepara os jovens para o mundo do trabalho, seja na Indústria, no Comércio, nos Transportes, na Agricultura ou no Cooperativismo. Essa preparação serve para atualizar ou complementar os conhecimentos que o jovem trabalhador já possui, mas com foco técnico na prática que o jovem terá no seu dia a dia profissional.

Assim, para ajudar na qualificação e na formação profissional de seus empregados, os empresários desses setores (Indústria, Comércio, Transportes, Agricultura e Cooperativas) têm no Sistema S um forte aliado para oferecer aos jovens e trabalhadores em geral cursos em áreas importantes do seu ramo de negócios.

O Sistema S conta com uma rede de escolas, laboratórios e centros tecnológicos espalhados por todo o território nacional. Muitos dos cursos oferecidos são gratuitos, mas também há ofertas de cursos pagos, geralmente com preços mais acessíveis do que os oferecidos por instituições particulares de ensino.

 

O Sistema S e o Cooperativismo

O Sistema S para o Cooperativismo nasceu em 1998, quando, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, buscava-se solução para o grave problema financeiro das cooperativas agro à época. Criou-se, então, o Programa de Revitalização das Cooperativas de Produção Agropecuária (Recoop), o qual foi amplamente debatido por três anos com todos os setores da sociedade interessados.

O presidente do Sistema Ocergs-Sescoop/RS, Vergilio Perius, recorda que “quando este programa foi concluído, a grande questão que ficou foi: e daqui a dez, 20 anos, não vão surgir de novo os problemas financeiros?”. O próprio presidente responde: “Não devem surgir mais. Como nós vamos fazer isso? Vamos melhorar a gestão das cooperativas”. E então foi criado o Sescoop. A própria legislação que criou o Recoop, em seu artigo 7º, cria o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), com o objetivo de capacitar, treinar, formar e monitorar as cooperativas, seus dirigentes e funcionários.

Leia mais  Entrevista – Conheça a Clownperativa, uma cooperativa de palhaços

Two happy people learning about production machines while talking to two technicians. Focus is on young people.Perius lembra que o Sistema S das Cooperativas tem um diferencial importante em relação aos demais integrantes do Sistema S: “É uma lei. Foi medida provisória transformada em Lei. Portanto, o Sistema S das Cooperativas foi formado por Lei e não por decreto, como os outros integrantes do Sistema S”.

A partir desse passo, em menos de 20 anos, o cooperativismo implantou cursos, escolas e faculdades que foram capazes de profissionalizar a gestão de todas as cooperativas dos 13 ramos do cooperativismo. “O Sistema S do Cooperativismo nasce daí com uma matriz fundamental: monitorar cooperativas pelo Sistema OCB, que é o gestor do Sistema S, e instrumentalizar mecanismos acadêmicos de estudo para podermos preparar as pessoas para administrar cooperativas”, comenta Perius.

“Nós, em 15, 18 anos, pelo Sescoop, conseguimos transformar o mundo do conhecimento e de gestão – que é complexo no processo cooperativo – em pessoas altamente capacitadas. Temos executivos preparados, temos presidentes preparados, temos empregados bem preparados, e temos, fundamentalmente, os sócios bem preparados na cultura da cooperação”, comemora Perius. “Esta é a revolução que se deu no campo da cultura e da gestão de cooperativas pelo Sistema S”, conclui.

Inscreva-se em nossa Newsletter!
Compartilhe: