Nós podemos cooperar sempre, em casa, na escola e nos espaços sociais no qual vivemos.

 

Cooperativas Escolares

 

A cidade de Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul, é considerada a Capital Nacional do Cooperativismo, e não é por menos que lá está a ‘Casa do Cooperativismo de Nova Petrópolis’, entidade sem fins lucrativos, fundada em 15 de julho de 2011, que tem como objetivo fomentar a cultura do cooperativismo na região. A Casa é quem desenvolve e financia projetos como das Cooperativas Escolares, o Roteiro Histórico do Cooperativismo e o Natal Cooperativo.

As Cooperativas Escolares são uma forma de aprendizagem onde os alunos se tornam os protagonistas. As crianças e adolescentes, em média de 10 a 17 anos de idade, são os sócios, responsáveis pela administração e condução dos projetos.

 

As cooperativas escolares são um tipo de laboratório de aprendizagem do cooperativismo e ajudam no desenvolvimento de atividades sociais e culturais de cada associado. Elas auxiliam também na formação de futuros cidadãos, gestores e líderes de comunidades.

 

O coordenador do projeto, Everaldo Marini, explica qual o intuito das Cooperativas Escolares: “Tem por finalidade a convivência, o respeito mútuo, a solidariedade, promoção da justiça social, igualdade, autonomia, a cooperação e a realização de objetivos comuns. Nelas, o caráter educativo, espírito cooperativo e o movimento entre o saber e o fazer são inerentes e constantes. Através das cooperativas escolares, são vivenciados os sete princípios do cooperativismo.”

 

Os adolescentes conduzem e administram a cooperativa, escolhendo o produto que será comercializado, elaborando o estatuto, formando chapa para a diretoria e conselho fiscal, organizando assembleias e elaborando atas e controle do livro-caixa.

 

Dentro de todos esses processos, eles aplicam as outras disciplinas que estudam no colégio, como matemática e português para os processos administrativos. Os alunos acabam recebendo lições diárias de cidadania, democracia e empreendedorismo, crescendo com o intuito de ajudar o próximo e a comunidade. A maioria das Cooperativas Escolares comercializa algum tipo de produto.

 

Atualmente no Rio Grande de Sul existem mais de 100 cooperativas escolares presentes em 43 cidades gaúchas e uma federação, e elas produzem diversos tipos de produtos como: caixas-baú de papietagem; chinelos, sabão, sal temperado; mandalas e guirlandas do cooperativismo, cartões de Natal e papel reciclado; bolachas caseiras; sacolas ecológicas, trufas, alfajores; chaveiros e marcadores de páginas.

 

Conheça algumas cooperativas escolares do Rio Grande do Sul aqui.

 

“Esses eventos são muito importantes, pois promovem os jovens ao exercício da cidadania responsável, conscientes dos seus direitos e deveres”, afirma o coordenador do projeto.

 

Sua cooperativa já pensou em trabalhar junto com uma cooperativa escolar? Você já conhecia o projeto? Conte para a gente se no seu município existem cooperativas escolares.

 

Compartilhe: