Quem tinha cópia da chave já faleceu, e há 20 anos ninguém mais teve acesso ao cofre misterioso. 

misterio-cofre-cooperativa

Um cofre centenário, trancado há cerca de 20 anos, é o maior mistério em uma comunidade do interior de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul. O cofre pertenceu a uma antiga cooperativa de agricultores da localidade de Linha Santa Cruz, e estava esquecido até o mês de maio deste ano, quando foi iniciada uma grande mobilização para tentar abri-lo e descobrir o que tem dentro.

União Sul-Brasileira de Cooperativas

O cofre misterioso está no mesmo lugar desde 1913, ano em que foi inaugurado o prédio que abrigou a União Sul-Brasileira de Cooperativas, e que hoje pertence à Prefeitura de Santa Cruz do Sul, sendo a sede atual da subprefeitura da localidade e de entidades e organizações sociais locais.

A cooperativa mantinha ali um estabelecimento comercial, que vendia tecidos, açúcar, arroz, feijão e outros produtos à população local. Há cerca de 20 anos, a cooperativa encerrou as atividades, mas o cofre permaneceu no edifício, fechado e sem chaves.

Os novos donos do cofre misterioso

A sala em que o cofre está instalado é a atual sede do Rotary Club Santa Cruz do Sul Cidade Alta. O ex-presidente do Rotary Paulo Afonso Trinks conta que se deparou com o cofre misterioso ao instalar o clube no local, no segundo semestre de 2018.

A partir de então, começou o esforço da comunidade santa-cruzense para encontrar uma forma de abrir o cofre e descobrir o que há dentro. Logo, os envolvidos constataram que os antigos diretores da cooperativa, que poderiam ter as chaves, estavam mortos.

Em busca da chave perdida

Não demorou e o mistério do cofre da cooperativa se alastrou, e várias pessoas apareceram com chaves velhas tentando ajudar.

Leia mais  Pentagram: conheça esta cooperativa de design

“Já estamos comentando isso há vários dias e até agora não apareceu ninguém com a chave. Apareceram só com chaves de outros cofres. Mas está bonita a mobilização”, comentou Paulo Afonso em entrevista concedida ao jornal Zero Hora, que produziu uma reportagem sobre o mistério do cofre.

Um segundo cofre misterioso

Em busca de informações, a comunidade ficou sabendo que uma outra sede da cooperativa, na localidade de Rio Pardinho, tem um cofre idêntico, também trancado e sem chave.

Um terceiro exemplar, da mesma marca, mas um pouco diferente, este com a chave, pertence a uma empresa de Santa Cruz do Sul, conforme revelado pelo jornal Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul.

Chaveiros alertam: só há um jeito de acabar com o mistério do cofre

Paulo Afonso chegou a fazer contato com chaveiros na tentativa de abrir o cofre, mas nenhum se animou a fazer a abertura. O grande desafio é não danificar o cofre misterioso, tratado como patrimônio histórico.

Dois profissionais já afirmaram que não há o que fazer sem a chave, a não ser arrombar o equipamento, possibilidade que está descartada. Também foram contatadas empresas especializadas em Porto Alegre.

O que imaginam que haja dentro?

“Como ninguém apareceu com a chave, estamos procurando alguém para abrir. Tem muita curiosidade em relação a isso. Cada um diz que tem uma coisa diferente dentro. Imagino que tenha documentos. Também pode ser que não tenha nada. Dinheiro, provavelmente não tem, senão não teriam perdido a chave”, afirmou Paulo Afonso.

E aí, geração? Qual desfecho você imagina para o mistério do cofre?

Inscreva-se em nossa Newsletter!
Compartilhe: